Informação sobre sífilis, causas, sintomas e tratamento da sífilis, abordando a sífilis primária, secundária, terciária e sífilis congênita.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Epidemiologia da Sífilis

A OMS estima em 340 milhões o número de casos novos de DST curáveis (sífilis, gonorréia, clamídia, tricomoníase).
Os dados da prevalência nos trópicos mostram que a sífilis, conforme a região, é a segunda ou terceira causa de úlcera genital (outras são o cancro mole e herpes genital). Houve recrudescimento da sífilis na Irlanda, Alemanha e cidades americanas, como San Francisco e Los Angeles, em grupos com comportamento de risco, como homens que fazem sexo com homens (HSH) e profissionais do sexo.
Nos Estados Unidos, em 2004 houve aumento de 11,2% dos casos de sífilis primária, que passaram de 7.177 em 2003 para 7.980.
Em relação à sífilis congênita, os dados obtidos em programas de pré-natal e maternidades mostraram soroprevalências elevadas, principalmente em países africanos.
No Brasil, em 2003, estimaram-se 843.300 casos de sífilis. Não sendo doença de notificação compulsória, os estudos epidemiológicos são realizados em serviços que atendem DST ou grupos selecionados, como gestantes, soldados, prisioneiros, etc.
Os casos registrados de sífilis congênita entre 1998 e 2004 totalizaram 24.448.

Sífilis é uma DST

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo Treponema pallidum. A sifílis pode ser tratada com antibióticos padrão, mas na ausência de terapia, dá origem a estágios clínicos sequenciais. Nos estágios iniciais, a infecção é altamente transmissível e, muitas vezes apresenta-se como lesões ulcerativas genitais ou como uma erupção cutânea. A infecciosidade diminui através de um longo período de latência, que pode ser seguida por complicações graves, incluindo doença cardiovascular e neurológica. Sífilis pode ser transmitida durante a gravidez para o feto em desenvolvimento e frequentemente provoca aborto, natimorto, morte neonatal ou consequências graves, como surdez, cegueira e retardos mentais


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL